Caminhando ao Encontro

Caminhando ao Encontro

segunda-feira, novembro 06, 2006

Oração de S. Francisco

Hoje uma visitante do meu cantinho falou-me na Oração de S. Francisco. O curioso é que ainda hoje pensei nessa oração (penso nela muitas vezes), considero-a uma das orações mais belas. Além disso, é uma oração que tem um significado muito especial.
Há uns anos atrás pertencia a um grupo de jovens que existia cá na paróquia. Reuniamo-nos todos os Domingos, uma hora durante a manhã. Eramos cerca de 20, 25 amigos. O grupo inicial tinha surgido, anos antes, da vontade de uma senhora que pertencia à Conferência de S. Vicente de Paulo, por isso era o Grupo de Jovens Vicentinos. A nossa guia era uma "jovem", fruto desse grupo inicial e que tinha dado seguimento ao desejo de formação de um grupo de jovens.
Havia sempre um assunto a abordar, revestido de um trabalho prático, de exploração de ideias, de testemunhos de vida, de aprofundamento de Fé. Às vezes fazíamos caminhadas de reflexão ou participávamos em retiros. No Natal faziamos a festa da Vicentina, um Domingo dedicado aos mais desfavorecidos. Tudo era feito por nós: íamos buscar as cerca de 50 crianças das freguesias vizinhas, ofereciamos-lhes o almoço (que tinha sido confeccionado por nós) e a parte da tarde era dedicada ao espectáculo (que durante 1 mês ensaiávamos intensamente). No final, cada uma levava para casa um presente que tinhamos recolhido nas nossas famílias. Era um dia em cheio, com muita alegria e muito divertimento. Havia contudo um sketch que todos os anos era ansiado por todos os participantes e que nem necessitava de ensaio - um desfile de moda, com roupas do "século passado", em que os modelos eram HOMENS (mas vestidos de mulher). Durante cerca de 20 minutos era um mar de gargalhadas. Oh que saudades desse tempo...
Hoje já não fazemos essa festa, hoje infelizmente já não nos encontramos aos Domingos. Os anos foram passando, a vida foi-se modificando, fica somente a recordação de uns bons anos de amizade e companheirismo. Foi nesses encontros que conheci a Oração de S. Francisco. Rezáva-mo-la muitas vezes, tantas que acabou por ser uma espécie de hino do nosso grupo. Quando realizámos a nossa Confirmação fizemos questão de a cantar na Acção de Graças. E num dos espectáculos que realizamos no Cine-Teatro dos Bombeiros (para angariar fundos para uma visita a Lourdes) fizemos uma encenação desta oração que emocionou a todos, participantes e espectadores.
A A. gostava imenso desta oração. Infelizmente a A. já partiu há alguns anos, em plena juventude. Era uma alegria sempre presente no grupo, e nas festas de Natal uma mais valia.
Sempre que vou ao cemitério, vou até ao seu cantinho. Lá está a imagem de S. Francisco em mármore e a sua oração na pedra.
Ela aqui fica para reflectirmos e sairmos desta inércia que parece "atacar" os cristãos.


Senhor,

Fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver duvida, que leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre,

Fazei que procure mais consolar, que ser consolado;
compreender que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que vive para a vida eterna.

4 comentários:

J disse...

É engraçado, porque eu também gosto imenso mesmo dessa oração, é simples e diz tudo.
Obrigado pelo seu texto que me fez pensar e rezar por si e pelo seu grupo, para que Deus vos acompanhe,e seja a luz do vosso caminho.

Um grande beijinho

Maria João disse...

Também gosto muito desta oração que me deixa uma pergunta no ar.

Por que razão temos tanto medo de nos entregarmos a Deus e ao seu Amor que se reflecte, sobretudo, no próximo?

Esta entrega só traz coisas boas. Mesmo quando há espinhos, enfrentamo-los de forma muito mais fácil...

Mim disse...

Numa das minhas caminhadas pela net, passei por aqui e algo me chamou á atenção...
Sou uma catequista, que entre outras actividades eclesiais, faço parte da JuFra (Juventude Franciscana Portuguesa).
Como é bom ver q a oração atribuida a S. Francisco, mas que não é dele, continua a ser motivo e incentivo de entregas ao Senhor.
A saudade é fruto de fortes vivências de Encontro.
Paz e Bem para ti

Maria João disse...

A oração não é de S. Francisco?

Podes explicar melhor, Mim?

bjs em Cristo